Ovinocultura

Uma cultura milenar que continua crescendo em todo o mundo. Antes de começarmos a falar sobre essa tradicional cultura, quero que você entenda um pouco mais sobre os animais que compõem a categoria ovina​: ovelhas (fêmeas), carneiros (machos) e cordeiros ​(filhotes).

Mamíferos, ruminantes e pertencentes a subfamília Caprinae, os ovinos foram uma das primeiras espécies a serem domesticadas pelo homem e têm como parentes próximos o bode e a cabra. Criados sempre em grandes rebanhos, eles se adaptam facilmente a diferentes climas, relevos e vegetações, não encontrando problemas para se espalhar rapidamente pelos continentes.

Há milhares de anos, os ovinos são responsáveis por alimentar e proteger as civilizações através de sua carne, leite, lã e couro, além de movimentar o agronegócio​ de pequenos e grandes centros. A criação desses animais é uma atividade que gera emprego, renda e inclusão social, contribuindo para a manutenção da agropecuária no campo. Por ser de fácil adaptação, é uma excelente alternativa para famílias que sofrem com o desemprego em regiões semi-áridas.

Não é atoa que eles estão posicionados entre os animais domésticos mais valiosos do mundo, não é mesmo?

E por falar em valores, o atual mercado de ovinos tem trazido ótimos números e perspectivas de crescimento, onde o investimento em rebanhos pode fornecer retornos financeiros de até 400% do seu custo anual. Segundo dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) divulgados em 2016, diante de um rebanho mundial de ovinos de 1,2 bilhão de cabeças, foi registrado uma taxa de crescimento de mercado anual de 1,5%.

E no cenário brasileiro, as tendências não são diferentes. O rebanho de ovinos​ e caprinos gira em torno de 26 milhões de cabeças, sendo boa parte originária de pequenos produtores. Além disso, tendo em vista o alto volume de importação de carne ovina registrada e analisando dados oficiais do IBGE sobre os rebanhos nos últimos anos, vemos uma positiva recuperação do mercado após a queda causada pela crise em 2012.

Confira no gráfico abaixo:

Rebanho Ovino no Brasil (2005 – 2014)

Mas a que se deve todo esse sucesso econômico?

Apesar de os maiores produtores de ovinos​ estarem no hemisfério Sul, sua lã, pele, leite e carne são consumidos no mundo inteiro e tem apresentado aumento no consumo per capta anual.

Com um mercado altamente comprador, principalmente para a carne, a ovinocultura​ conquistou dois tipos fiéis de público que expande o setor e atrai novos investidores: o tradicional e o gourmet. O público tradicional, como o nome já diz, consome a carne religiosamente devido a tradições familiares, religiosas ou regionais, transformando a forma e o momento de preparo em um verdadeiro ritual.

Já o gourmet, é um novo público que começou a consumir a carne por curiosidade e após reconhecer o sabor e a qualidade diferenciada, a transformou em sua primeira escolha tanto dentro, quanto fora de casa.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp